sexta-feira, 2 de maio de 2008

MICHAEL ROSENBAUM, O LEX LUTHOR,
NÃO ESTÁ MAIS EM 'SMALLVILLE'






Super-Homem sem Lex Luthor? E agora?? Pois é... Segundo a colunista Kristin dos Santos, do E!, o ator Michael Rosenbaum deu adeus a
"Smallville". Não que isso seja uma enorme surpresa para os fãs - ele já tinha anunciado que esta temporada seria a última, mas ainda restava uma pontinha de esperança entre os fãs.


O seguinte comunicado foi divulgado pelos produtores da série e pelo canal CW: "Foi uma honra e um prazer trabalhar com Michael pelas ultimas seis temporadas. Ele é um dos melhores atores na TV e nunca deixou de trazer algo a mais para o personagem de Lex Luthor a cada episódio.


Michael não será mais um ator fixo no elenco e não o teremos semanalmente na série na próxima temporadas, mas queremos acreditar que ainda não vimos tudo o que há para ver sobre Lex Luthor. Fique ligado."O próprio ator também escreveu uma carta para seus fãs:
Irmãos de Isabella
serão ouvidos


Os filhos de Alexandre Nardoni, 29, e Anna Carolina Jatobá, 24, serão visitados pelo Conselho Tutelar de Guarulhos na próxima segunda-feira. A visita foi pedida pelo Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (Condepe), órgão do governo do estado, para verificar em que situação se encontram Pietro, de 3 anos, e Cauã, de 1. Os dois estão com os pais na casa do avô materno, Alexandre Jatobá, em Guarulhos.

Na quarta-feira,
a família se recusou a receber uma representante do Conselho . Nesta sexta-feira, voltou atrás e o advogado Ricardo Martins entrou em contato com a conselheira Aparecida Camará para agendar a visita. Se o relatório da polícia estiver certo, as duas crianças viram as agressões que culminaram com a morte de Isabella Nardoni, 5, atirada pela janela do apartamento do pai no dia 29 de março.

Anna Carolina teria esganado a menina até que ela fosse asfixiada. Alexandre não teria impedido o acesso de fúria da mulher e teria jogado Isabella pela janela. Segundo o relatório do inquérito policial, feito pela delegada Renata Helena Pontes, o casal mente de forma dissimulada . Para a delegada, a morte da garota foi um ato covarde, que demonstra maldade e desprezo pela vida humana.

A informação da visita foi confirmada por Aparecida Camará. Segundo ela, os integrantes do Conselho Tutelar vão se reunir na segunda-feira para decidir detalhes da visita.

Ariel de Castro Alves, secretário-geral do Condepe, disse que o objetivo é verificar se é necessário algum apoio social ou psicológico às crianças. Para a conselheira Aparecida Camará, as medidas dependerão do que os conselheiros irão encontrar no apartamento da família Jatobá.


O Conselho Tutelar poderá conversar separadamente com Pietro caso considere necessário. A delegada Renata Pontes afirma no relatório do inquérito que apura a morte de Isabella que provavelmente foram de Pietro os gritos de "papai, papai, pára, pára" ouvidos por vizinhos minutos antes da morte da menina.

Na quarta, uma conselheira de Guarulhos foi atendida apenas por interfone. Segundo Alves, impedir a entrada do Conselho Tutelar configura crime previsto no artigo 236 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).


Os responsáveis podem ser punidos com detenção de seis meses a dois anos.
A morte de Isabella não tem testemunha ocular ou confissão do assassino. Se Pietro presenciou a violência, ele seria o único a testemunhar a morte da irmã. O Ministério Público não descartou que a criança seja ouvida, desde que seja com apoio de psicólogos, o chamado "depoimento sem danos".


"Não, pois no futuro essa crianca podera ter traumas gravissimos caso o pai venha a ser condenado...ele jamais se perdoará por ter jogado o próprio pai numa prisão. Penso que a Justiça tem que usar de outros meios, e isentar essa crianca, desse caso monstruoso", diz uma leitora.
"O depoimento do irmão seria o mais verdadeiro e esclarecedor já dado por um Nardoni, visto que crianças dessa idade, mesmo que exaustivamente treinadas, não conseguem mentir ou simular emoções por muito tempo. Tenho certeza que temos profissionais muita capazes de realizar um trabalho", afirma um leitor.

"Sendo a criança referida provável testemunha do crime, talvez o testemunho dela ajude-a a começar um processo de enfrentar a seu sofrimento", diz outra internauta. (Do Globo on line)

E VOCÊ ACHA QUE, PARA DESVENDAR O CRIME, AS CRIANÇAS DEVEM SER PRESERVADAS. ENVIE SEU COMENTÁRIO.

sem comentários


Polêmica



O travesti André Luiz Albertino, conhecido como Andréia Albertine, declarou ontem à Folha, por telefone, ter feito um programa com Ronaldo, atacante do Milan e campeão com a seleção brasileira nas Copas do Mundo de 1994 e 2002.


Andréia, que falou ter 21 anos, procurou a polícia do Rio alegando que o jogador -que a levou com outros dois travestis para um motel na Barra da Tijuca- lhe devia dinheiro. “Ele não pagou porque ficou com raiva das minhas outras duas amigas, que pegaram o dinheiro dele e foram embora.”


Folha - O que aconteceu nesta madrugada entre você e o Ronaldo?Andréia Albertine - Ficamos juntos no hotel de domingo pra segunda, das 4h30 até as 9h30 -até a hora da confusão na portaria, quando até gravei um vídeo com meu celular, porque estavam tentando me tirar do jogo porque ele é rico, ele é o Ronaldinho e ele pode comprar até minha mãe contra mim. Ele parou [no ponto], eu nem reconheci. Abaixou um pouquinho o vidro e falou: “Entra, entra, entra”. Entrei, olhei pra cara dele e falei: “Gente, é o Ronaldinho! Tô passada”. Daí falei: “Mas, menino, você nem sabe quanto eu cobro”. E ele disse: “Relaxa, gata, dinheiro não é problema pra mim”.


Folha - Quanto você cobra?Andréia - Oral é R$ 30, sexo no carro é R$ 50 e uma hora comigo é R$ 100. Mas ele não pagou porque ficou com raiva das minhas outras duas amigas [também travestis], que pegaram o dinheiro dele e saíram “voada”. Em vez de ir comprar [drogas com o dinheiro do atacante], elas foram embora. Ele pagou R$ 1.300 pra elas -R$ 300 pelo que elas tinham “dado” e mais R$ 1.000 pra irem buscar cocaína.


Folha - Ele estava nervoso?Andréia - Não vou mentir. Dava pra ver que ele estava alterado de bebida, com um leve cheiro. Ele falou que deixou a namorada em casa e depois me pegou. Ele foi supereducado o tempo todo, foi fino, foi tranqüilo. Não agrediu, não fez nada. Foi só ativo com minhas amigas.


Folha - Então ele viu que eram travestis?Andréia - Viu. Só eu que ele achou que era mulher, as outras duas ele viu que eram “trava”, “boneca”.
Folha - Ele pedia discrição? O que conversavam?Andréia - Coisas normais. Daí, quando ele cheirou, começou a viajar. Dizia: “Pelo amor de Deus, vocês não vão aprontar pra cima de mim, não”. Eu falei: “Bebê, se você semear amor, vai colher amor. Agora, se você aprontar com a gente, a gente vai aprontar com você”. Só que ele aprontou comigo, que fui a mais boazinha, a mais boba.


Folha - A confusão começou a que hora?Andréia - A partir das oito e pouco, quando eu voltei pro hotel. Elas [os outros dois travestis] já tinham ido embora e ele não queria me pagar.
Folha - Se elas já tinham ido embora, ele estava te esperando?Andréia - Ele não estava me esperando, ele já estava indo embora. Quase que não pego ele. Graças a Deus, eu estava com o documento do carro dele [um Ford Fusion]. Mesmo que ele tivesse ido embora, eu tinha como provar que estava com ele, porque tô com o documento.


Folha - Você está nervosa?Andréia - Lógico. Ele me disse que ele era o Ronaldinho e eu só era uma piranha de rua. Tô apavorada, ele é rico.


Folha - Por que você deixou a delegacia de polícia no meio do depoimento?Andréia - Porque tentaram pegar meu celular para apagar [o vídeo], porque o Ronaldo é influente e poderoso. Que que eu fiz? Saí “voada”, por isso que eu fugi da delegacia.


Fonte: Coluna Mônica Bergamo (Folhaonline)

segunda-feira, 28 de abril de 2008


TUDO AZUL
Cruzeiro coloca a mão na tarça; torcida celeste fez homenagem à Ziza Valadares


Com uma mãozinha do rival, o Cruzeiro goleou o Atlético por 5X0 no Domingo, pela final do Campeonato Mineiro 2008. Para os mais pessimistas, a final é disputada em 180 minutos. Mas o amplo placar parece garantir a tarça ao time da Toca.
O Cruzeiro entrou em campo querendo resolver a parada em apenas um tempo. Na vitória sobre o Atlético, o time celeste fez um primeiro tempo fulminante e já nos
primeiros 45 minutos fez 3 a 0, com Moreno, Marcos (contra) e Ramires.
Para quem imaginava que o segundo tempo ia ser mais complicado se enganou. Apesar de não jogar 100%, a raposa dominou a partida. O técnico Adilson Batista foi eleito pela mídia o melhor jogador em campo. (foto: Rejane Araújo/O Tempo)


Mãozinha do adversário é comum em todo o mundo.

video